i n d i g N A ç ã o

quarta-feira, 16 de setembro de 2009



Se eu não reclamar, não vou me dar por satisfeito... Já que não posso ir pra rua, pois vou ser taxado de "louco, querendo mudar o mundo sozinho", utilizo da minha escrita para mostrar toda minha indignação.


Os governos tiram da gente 1/3 [um terço] do salário mensal, ou seja, trabalhamos durante o ano inteiro e pagamos 04 [quatro] meses só de impostos. É! IMPOSTO! Ele está em tudo o que consumimos, da simples garrafinha d'água ao carro mais luxuoso. É decepcionante ver a população tornando-se cada vez mais burra! Isso mesmo: BURRA! Pois elege um candidato e não cobra dele. Aí vem o autoritarismo de quem chega ao poder e se esconde de quem o elegeu, apenas curtindo o seu gordo salário durante o mandato, trabalhando "apenas" três dias por semana, numa jornada menor que oito horas.


"Nesse país que alguém te disse que era nosso." ["Perplexo" - Herbert Viana]


Nascemos escravos de tudo. Somos obrigados a pagar pra viver e torcer pra ter vida longa, pois até pra morrer o custo é alto. Serviços essenciais para nosso mínimo conforto, como água e energia elétrica, são absurdamente caros e a cada ano aumentam arbitrariamente, uma vez que nosso salário não acompanha cada aumento feito e autorizado pelos governos, sejam eles quais forem.


Esse texto é apenas uma crítica, um desabafo de um cidadão insatisfeito com o próprio ser humano, pois ouvir um presidente dizer que veio do povo [hoje isso virou desculpa para ele ser a vítima], chorando num discurso prometendo que queria terminar o mandato fazendo com que todo brasileiro tenha no mínimo três refeições diárias é, no mínimo, o cúmulo. Os mais antenados histórico e culturalmente sabem que vai ser sempre cômodo manter a população pobre, empurrando com a barriga, sanando com programas sociais para calar a boca dessa classe e ainda fazê-los dizer que estão melhores de vida.


Lembro que um cidadão escreveu uma coluna na Folha de São Paulo, por volta de 1991, colocando toda a sua raiva, insatisfação com o então presidente Fernando Collor e sua administração. Resultado, acabou sendo preso por ter se manifestado contra o governo numa sociedade dita democrática, onde a censura havia sido extinta. Mesmo?


As vezes penso que minha escolha em não ter filhos até então foi correta, pois essa nova geração ainda vai passar por muitas crises, muitos rolos, falcatruas, revoluções, violências... Enfim, vão chegar ao limite, onde alguma grande mudança ocorrerá. Espero eu que não seja lançada uma bomba de nêutrons para que se tenham consciência de que podemos ser pessoas melhores.


"Eu tenho raiva de tudo, de tudo que eu não posso ter." ["Carro Velho" - Herbert Viana]





leia também o blog ...taste it !


.

.

.

6 comentários:

Atreyu disse...

O problema é se acomodar com a situação.
e falta de conhecimento também.
Massa seu post!

Xana disse...

Brilhante seu post!!
Pena que é a massa que acaba elegendo e não a minoria com consciência política.

GueGue disse...

tem tudo a ver com o que eu sempre digo.
bjos
guegue

Bill Falcão disse...

E o povo continua votando "nos mesmos"...
Abraços!

Marcos Pinheiro disse...

Não vou ser hipocrita e dizer que concordo com tudo o que você disse, pois só concordar não vai nos levar a lugar algum. Infelizmente é isso meu caro, muita gente como eu está ciente de toda a situação, mas não faz nada pra mudá-la.

Daniel Savio disse...

Concordo que a nossa geração acomodou, mas não vai permanecer assim, pelo menos tenho esperança que vai ter algo melhor...

Fique com Deus, menino VDJ.
Um abraço.